Activistas e Académicos Africanos querem visitar colegas presos na Eritreia

Numa carta aberta dirigida a Isaias Afewerki, activistas, jornalistas e académicos de 52 países africanos – incluindo o Nobel da Literatura Wole Soyinka, o activista Rafael Marques e o escritor José Eduardo Agualusa – apelam ao presidente da Eritreia para que os deixe visitar os colegas que aí se encontram detidos. A Eritreia é um dos mais repressivos regimes em África, e este apelo surge na sequência de um sinal de abertura, com a recente normalização das relações com a Etiópia.

Por LUSA

LER TEXTO INTEGRAL:

Cerca de uma centena de activistas, jornalistas e académicos de 52 países africanos, incluindo vários lusófonos, pediram ao presidente da Eritreia uma oportunidade para visitar colegas que se encontram detidos no que consideram ser um dos países mais fechados de África.

Numa carta aberta dirigida a Isaias Afewerki, os activistas de direitos humanos, jornalistas e académicos pedem ao chefe de Estado da Eritreia, considerado um dos mais repressivos regimes em África, “uma oportunidade” para visitar os seus colegas detidos em cadeias no país.

O grupo, que inclui nomes como Rafael Marques e José Agualusa (Angola), Iva Cabral (Cabo Verde), Miguel de Barros (Guiné) e Paulina Chiziane (Moçambique), além do escritor nigeriano Wole Soyinka, congratulou-se com a recente normalização das relações entre a Etiópia e a Eritreia.

Nesse sentido, manifestaram a expectativa de que tal passo represente o início de “uma nova era” de aprofundamento da “estabilidade e prosperidade na região”.

Em declarações à Lusa, Rafael Marques defendeu que esta acção representa “um primeiro ensaio sobre o estabelecimento de uma cadeia de solidariedade mais forte entre figuras preeminentes da sociedade civil africana para a busca de soluções africanas para os problemas africanos”.

Na carta, os activistas pediram ainda ao chefe de Estado para manter o “ímpeto de abertura” do país, após um período de isolamento, que consideram ter representado “uma perda para a Eritreia e para toda a África”.

Expressaram ainda preocupação pelo “clima de hostilidade” que se regista no país, particularmente contra jornalistas, opositores, activistas de direitos humanos e defensores da democracia.

Lembram que muitos eritreus foram presos por razões políticas, o que gerou um clima de medo e provocou um considerável movimento migratório para fora do país.

Solicitaram, por isso, autorização formal para visitar os seus colegas presos na Eritreia, para lhes expressarem solidariedade e lembrarem-lhes que “África nunca os esquecerá ou abandonará”.

Fonte: FF // PVJ

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.