o governo chinês contrata hackers para rastrear a localização de pessoas pertencentes à população étnica uigur que viajam para o exterior

De acordo com notícias recentes, o governo chinês contratou hackers para rastrear a localização de pessoas pertencentes à população étnica uigur que viajam para o exterior; Malásia, Índia, Cazaquistão e Tailândia. Os países são escalas para o povo uigur, quando viajam para a Turquia na tentativa de fugir da detenção e tortura sistemática pelas mãos das autoridades chinesas em Xinjiang. Atualmente, a China detém cerca de 800.000 a 3 milhões de muçulmanos uigures em campos de concentração, o que pode ser descrito como um genocídio cultural em larga escala.

O governo chinês está empregando hackers para invadir operadoras de telecomunicações asiáticas e dispositivos pessoais, em um esforço para rastrear a população étnica uigur na Ásia, de acordo com novos relatórios da Reuters e da CNN.

Hackers que trabalham para o governo chinês se infiltraram em sistemas de telecomunicações na Índia, Cazaquistão, Malásia, Turquia e Tailândia, de acordo com a Reuters, que cita quatro fontes de inteligência e segurança não identificadas.

Os países são escalas comuns para os uigures que viajam entre a região de Xinjiang na China, onde enfrentam uma opressão incrível, e a Turquia, onde são comparativamente mais livres.

Infelizmente, não está claro quais as telecomunicações que foram invadidas, de acordo com a Reuters:

A Reuters não conseguiu identificar quais operadoras de telecomunicações específicas foram comprometidas. Funcionários do governo na Índia e na Tailândia se recusaram a comentar. As autoridades da Malásia, Cazaquistão e Turquia não responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

A CNN também publicou um relatório no início desta semana na Forbes que explica como os atores estatais chineses estão espionando em smartphones, Android e iPhone, a fim de rastrear a população uigur. A CNN relata que os hackers são capazes de instalar software malicioso em smartphones depois que os usuários visitam determinados sites populares entre a população uigur na Ásia.

Segundo ainda a CNN:

Alguns dos sites têm a capacidade de infectar telefones Android e iPhones, uma fonte familiarizada com a pesquisa de várias empresas nos sites, algumas das quais não são públicas, confirmadas à CNN. No entanto, não ficou claro que os sites foram capazes de invadir os dois tipos de sistemas ao mesmo tempo.

Atualmente, a China aprisiona cerca de 800.000 a 3 milhões de muçulmanos uigures em campos de concentração.

Atualmente, os uigures estão passando por um genocídio cultural na China, pois Pequim quer livrar o povo de sua religião, idioma e qualquer outra coisa que possa distingui-lo da maioria dos chineses han.

O governo chinês insiste que os campos de concentração uigures são na verdade escolas e que todos os participantes se inscreveram voluntariamente. Mas as pessoas que escaparam dos campos relatam a tortura sistemática que acontece lá dentro.

A China negou anteriormente que controlava esses campos, antes que a mídia externa começasse a apitar. Mas agora, o governo chinês está organizando eventos de mídia com scripts para mostrar ao mundo que está tudo bem e não há com o que se preocupar.

Inúmeras famílias uigures já se apresentaram, na esperança de encontrar seus parentes desaparecidos, percebendo que eles têm muito pouco a perder fazendo suas vozes serem ouvidas agora.

Fonte: Gizmodo, via UNPO

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.