JORNALISTA CRÍTICO A BOLSONARO É MORTO A PEDRADAS EM CUIABÁ

Publicado por Vinicius Segalla.

O jornalista e escritor cuiabano Marcelo Leite Ferraz, de 38 anos, foi encontrado morto na última segunda-feira (30) em um terreno baldio na capital de Mato Grosso, com marcas de pancada na cabeça e afundamento no crânio.

Próximo ao corpo, foram encontradas pela Polícia Civil pedras e um bloco de concreto com manchas de sangue.

Último artigo publicado por Marcelo Leite Ferraz, assassinado a pedradas em Cuiabá.

Ele estava desaparecido desde o último sábado (28), quando saiu para encontrar amigos em um bar da região central de Cuiabá e nunca mais voltou para casa.

Marcelo sempre foi um crítico da esquerda e do PT, além de apoiador da Operação Lava Jato e do ex-juiz Sergio Moro. Ao longo deste ano, porém, se tornou conhecido na cidade como um crítico ferrenho do presidente Jair Bolsonaro, de seu governo e de seus apoiadores.

O jornalista, que também era poeta e autor de sete livros, formou-se em jornalismo pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e foi um dos vencedores do Prêmio Mato Grosso de Literatura, pelo romance ‘O Assassinato na Casa Barão’, em 2017.

Conhecido repórter e articulista cuiabano, já tinha trabalhado em alguns dos principais jornais da sua cidade, como Diário de Cuiabá e Folha do Estado, além da TV Centro América, retransmissora da Rede Globo em Mato Grosso.

Em coluna que mantinha no site de notícias políticas cuiabano “O Documento”, Marcelo passou os últimos meses focando todos os seus escritos em críticas a Bolsonaro.

Seu último artigo data do dia 4 do mês passado. O título é “Bolsonaro, o coringa brasileiro“. Nele, se lê:

Após 8 meses de mandato, representado pela figura de um político antiquado, ultraconservador e hostil aos valores da democracia, a impressão é que Bolsonaro perdeu as características minimamente humanas, para vestir o terno colorido da insanidade do coringa brasileiro.

Assim, utilizando-se das facetas dissimuladas de um palhaço irônico e trágico, o mitomaníaco vem adotando uma postura dúbia ao pregar o moralismo ético “interna corporis” para administração pública do Governo Federal, ou seja, para todos que estão sob seu controle draconiano, porém, ao mesmo tempo, fecha os olhos para os atos antirrepublicanos dos seus próprios filhos.

Já no dia 1 de agosto deste ano, Marcelo publicou em sua coluna um texto com o título “Carta aberta para Bolsonaro“, em que pedia:

Pede para sair capitão! A militância política, a sociedade civil organizada e os cidadãos de bem deste país, que lutaram pela redemocratização e pela CF/88, seja aqueles que se identificam com os valores da esquerda ou da direita, mas que ainda são republicanos e democratas, não almejam voltar aos tempos de trevas sanguinárias da ditadura.

Finalmente, no dia 12 junho, no artigo “Galos-de-briga antirrepublicanos!“, o jornalista e escritor defendeu que o extremismo ideológico estaria levando a política do país a enveredar pelos caminhos da violência e da intolerância:

Resumindo, sem o mínimo de governabilidade necessária para aprovação das reformas devidas, para alavancar o crescimento e atrair os investimentos, o país vai de fato continuar nesse cenário individualista de uma verdadeira rinha de galos, onde a vitória de uns depende da derrota ou até mesmo da morte de outros. Então, já passou da hora desses governantes, autoridades e políticos virarem a página da disputa ideológica e começarem a pensar no povo brasileiro como verdadeiros estadistas que atuam dentro do Estado Democrático e de Direito.

A Polícia Civil de Mato Grosso investiga o caso e ainda não divulgou o nome de nenhum suspeito, embora informe já trabalhar “com algumas linhas de investigação”. As primeiras apurações apontam para homicídio doloso, em que o jornalista teria perdido a vida em uma briga ou emboscada.

O delegado de polícia Fausto Freitas, que comanda as investigações, afirmou na última segunda-feira à imprensa local: “No local onde estava o corpo, encontramos pedregulhos e pedaços de concreto que tinham marcas de sangue. Por enquanto, é prematuro dizer alguma coisa. A família e pessoas próximas não citaram nada de desentendimentos recentes”. O ex-deputado estadual Maksuês Leite (PP), primo do jornalista, disse que Marcelo “era uma pessoa muito querida. Incapaz de fazer mal a uma mosca”.

Fonte: Desacato

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.