RÚSSIA VENDE ARMAMENTO E PROMOVE COOPERAÇÃO NUCLEAR EM CIMEIRA COM ÁFRICA

rt

O Presidente russo, Vladimir Putin, reuniu quarta-feira e hoje em Sochi (sudoeste) chefes de Estado e de Governo de 43 dos 54 países africanos e aproveitou a ocasião para assinar novos acordos de cooperação nuclear e para expor as novidades da indústria militar aos convidados de um continente que representa 40% das vendas de armas e equipamentos militares. 

Em matéria nuclear, Sochi foi palco da assinatura de acordos de cooperação entre a agência nuclear russa Rosatom e os governos da Etiópia, para a construção de “uma central nuclear de grande capacidade”, e do Rwanda, para a construção de um centro de investigação. 

Segundo o director-executivo da Rosatom, Alexei Likhachev, estes acordos juntam-se a protocolos já assinados com outros 18 países africanos, entre os quais Egipto, Ghana, Nigéria, Quénia, Sudão, Uganda e Zâmbia, o que demonstra o interesse russo num continente onde existe uma única central nuclear, na África do Sul. 

Outra vertente do interesse russo em África envolve a venda de armamento. 

“África representa 40% do volume do portfólio de encomendas actuais, tanto em termos de valor como entrega de diferentes tipos de armas e de equipamentos militares”, explicou à agência France Press Alexander Mikheev, presidente da Rosoboronexport, a empresa pública russa de venda de armamento. 

A empresa trabalha actualmente com “vinte países” africanos, tendo “cerca de 12 mil milhões de dólares em contratos assinados e pagos”, precisou. 

Este ano, disse ainda, a Rosoboronexport fez entregas a nove países de África, entre os quais Angola, Moçambique, Rwanda e Uganda. 

Segundo uma reportagem da agência em Sochi, os “stands” de armamento e equipamento militar ocupam “a parte de leão” do espaço do complexo que acolhe o fórum. 

O grupo empresarial estatal Rostec, que agrupa a quase totalidade do parque industrial militar russo, está nomeadamente representado em Sochi pelas empresas Kalashinikov (metralhadora ligeira), Almaz-Antey (sistemas anti-aéreos e blindados) e Pribor (munições).

A AFP descreve como empresários russos e africanos enchem os “stands” para ter a oportunidade de manipular armas, tirar fotografias ou folhear catálogos traduzidos para português e francês. 

Fonte: Lusa.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.