SEGUNDO A EXX AFRICA ACÇÃO CONTRA ISABEL DOS SANTOS

Tem como principal objetivo força Isabel dos Santos vender seus activos em Angola.

O diretor da consultora EXX Africa considerou ontem à Lusa que o principal objetivo da ação judicial contra Isabel dos Santos é tornar os ativos ingeríveis e forçar a empresária a abandonar os negócios em Angola.

“O principal objetivo desta ação legal parece ser tornar os negócios de Isabel dos Santos em Angola ingeríveis e assim forçar uma venda ou transferência dos seus bens para o Estado angolano ou para compradores politicamente próximos” do executivo, acrescentou o analista.

Questionado pela Lusa sobre o arresto dos bens de Isabel dos Santos, do seu marido, Sindika Dokolo, e do português Mário da Silva, Robert Besseling disse estar “particularmente interessado na escolha da véspera de fim de ano para a divulgação do congelamento dos bens”.

“Como há poucas notícias globais nesta altura do ano, a história de Isabel tem dominado as manchetes há já uma semana”, disse, acrescentando: “Parece que a decisão legal foi anunciada para criar o máximo impacto mediático e adicionar pressão na família dos Santos para se afastar do investimento em Angola”, concluiu o analista.

O Tribunal Provincial de Luanda decretou o arresto preventivo de contas bancárias pessoais da empresária angolana Isabel dos Santos, do marido, Sindika Dokolo, e do português Mário da Silva, além de nove empresas nas quais detêm participações sociais.

Um comunicado divulgado no dia 30 de dezembro, da PGR de Angola, refere que o Serviço Nacional de Recuperação de Ativos intentou uma providência cautelar de arresto no Tribunal Provincial de Luanda contra Isabel dos Santos, Sindika Dokolo e Mário Filipe Moreira Leite da Silva.

De acordo com a PGR, Isabel dos Santos, filha do ex-Presidente de Angola, José Eduardo dos Santos, Sindika Dokolo, marido de Isabel dos Santos, e Mário Silva celebraram negócios com o Estado angolano através das empresas Sodiam, empresa pública de venda de diamantes, e com a Sonangol, petrolífera estatal.

A empresária Isabel dos Santos reagiu dizendo que nunca foi notificada ou ouvida no âmbito no inquérito que levou ao arresto das suas contas em Angola, negando as acusações em que é visada num processo que afirma ser “politicamente motivado”.

Em comunicado, a empresária angolana afirmou “que nunca foi notificada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) ou citada pelo Tribunal Provincial de Luanda”, desconhecendo o teor da acusação e que “não teve oportunidade de apresentar defesa”.

“Este despacho sentença é resultado de um julgamento de uma providência cautelar, que ocorreu sem conhecimento das partes, de forma aparentemente arbitrária e politicamente motivado. Não compreendendo nem se podendo conformar com este enquadramento num Estado de Direito democrático como é Angola, Isabel dos Santos pretende opor-se a cada uma destas alegações em sede e tempo próprio nos termos estabelecidos na lei angolana”, lê-se no comunicado de Isabel dos Santos.

Nas eleições gerais de 2017, João Lourenço, antigo ministro da Defesa Nacional de José Eduardo dos Santos, foi eleito Presidente da República.

lusa

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.