APROVADA LEI DE VIGILÂNCIA ELETRÓNICA EM ANGOLA

Pela Assembleia Nacional de Angola na votação final global nas Propostas de Lei das Acções Encobertas para Fins de Prevenção e Investigação Criminal e a de Identificação ou Localização Celular e de Vigilância Electrónica para Fins de Prevenção e Repressão Criminal.

E bem como uma série de Propostas de Leis, com realce para a que autoriza o Banco Nacional de Angola (BNA) a emitir e pôr em circulação uma nova família de notas do kwanza.

Por Mbembu Buala Press 

Fotografia: Kindala Manuel, E.N

O primeiro diploma recebeu 165 votos, enquanto o segundo, 181. Não houve votos contra nem abstenções. 

Ao reagir à aprovação da Lei das Acções Encobertas para Fins de Prevenção e In-vestigação Criminal, Roberto Leal Monteiro “Ngongo”, do MPLA, disse que este diploma “vem tapar uma lacuna legislativa que se fazia sentir no ordenamento jurídico angolano, no âmbito da in-vestigação criminal e para fins de prevenção e repressão criminal”.

O antigo ministro do Interior defendeu a criação de instrumentos jurídicos que legitimem a actuação dos órgãos de investigação criminal na prevenção e repressão de crimes que põem em causa os direitos, liberdades e garantias fundamentais dos cidadãos. 

Na declaração de voto, a UNITA reconheceu que a criminalidade tem evoluído ao longo dos últimos tempos, salientando que a Lei é uma novidade no sector da Segurança e Ordem Pública. Defendeu a salvaguarda de alguns aspectos na aplicação prática do diploma, para não se pôr em causa a harmonia do ordenamento jurídico angolano. 

Lindo Bernardo Tito, deputado independente, justificou o voto favorável à Proposta de Lei da Identificação ou Localização Celular e da Vigilância Electrónica para Fins de Prevenção e Repressão Criminal por considerar que a mesma vem resolver uma irregularidade registada há alguns anos, consubstanciada na utilização indevida de meios que acompanham a vida individual dos cidadãos. 

O deputado Alexandre Sebastião André, da CASA-CE, defendeu, a propósito, que os mecanismos da Lei sejam extensivos a todas as áreas do país, não se confinando apenas às zonas urbanas.

A deputada Mihaela Weba disse que o voto favorável da UNITA à Proposta de Lei da Identificação ou Localização Celular e da Vigilância Electrónica para Fins de Prevenção e Repressão Criminal resulta do facto de se tratar de um mecanismo eficaz no combate à criminalidade extrema no país.

A parlamentar desejou que a Lei seja interpretada e aplicada de acordo com os ditames estabelecidos na Constituição da República , no estrito cumprimento dos direitos, liberdades e garantias dos cidadãos.

Nova família do kwanza

Ainda ontem, Assembleia Nacional procedeu à votação final global de uma série de Propostas de Lei, com destaque para a que autoriza o Banco Nacional de Angola (BNA) a emitir e pôr em circulação uma nova família de notas do kwanza. O documento foi aprovado com 121 votos, nenhum contra e 53 abstenções. Na declaração de voto, a deputada Idalina Valente, em nome da bancada do MPLA, elogiou a medida, salientando que “está tecnicamente comprovado que qualquer moe-da, após sete anos de circulação, fica vulnerável à falsificação, facto que periga a estabilidade macro-económica de um país”. Raúl Danda, da UNITA, partido que se absteve, interrogou: “Numa altura em que o país não tem recursos para fazer coisa alguma é prioritário gastarem-se biliões para a emissão de novas notas?”.

O político é de opinião que o dinheiro gasto para a emissão de novas notas devia ser usado na resolução dos problemas relacionados com a Educação, Saúde, Habitação e outros que afectam os cidadãos.

Ainda sobre a emissão e circulação de novas notas, já neste primeiro semestre, o líder da bancada parlamentar do PRS disse que o partido deu luz verde à Proposta de Lei por considerar que qualquer país deve dispor de cédulas seguras, que não possam ser contrafeitas.
Para Benedito Daniel, a injecção da nova família de notas do kwanza poderá criar alguns embaraços na população. Salientou, contudo, a necessidade de se ter uma moeda fiável para se conferir estabilidade à economia.

A CASA-CE também vo-tou a favor do diploma. O líder da bancada, Alexandre Sebastião André, disse que foi por questões de sentimento patriótico que a coligação votou a favor do diploma e, também, devido ao facto das actuais notas não oferecerem segurança.

Características das notas

A esfinge das novas notas do kwanza passa a contar apenas com o rosto do primeiro Presidente de Angola, António Agostinho Neto, ao contrário da actual, que incluía a do ex-Chefe de Estado, José Eduardo dos Santos.


As novas notas, no valor facial de 200, 500, 1.000, 2.000, 5.000 e 10.000 kwanzas foram também ilustradas com maravilhas naturais de Angola.
Na de 200 kwanzas figuram as Pedras Negras de Pungo a Ndongo (Malanje), na de 500, a Fenda da Tundavala (Huíla), na de 1.000 a cordilheira do Planalto Central (Huambo), na de 2.000, a Serra da Leba (Huíla), na de 5.000, as ruínas da Catedral de São Salvador do Congo (Zaire) e na de 10.000, as Grutas do Zenzo (Uíge).

As novas cédulas do kwanza serão mais seguras, com características que dificultam a falsificação. Terão substratos de polímero (plástico) que as tornarão mais resistentes que as de papel, em circulação.

Texto de Garrido Fragoso

Jornal de Angola

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.