INÍCIO DO DIÁLOGO NACIONAL NOS CAMARÕES PARA A RESOLUÇÃO DA CRISE ANGLÓFONA

“REGIÃO DA AMBAZONIA”

Arrancou nos Camarões reunião de cinco dias para resolver a crise nas regiões anglófonas.

Desde 2016, foram mortas mais de 3000 pessoas e 500 mil estão deslocadas. Muitos líderes separatistas rejeitam o diálogo.

O destino do voo regular da Camair a partir de Maroua é a metrópole económica de Douala. Mas na escala em Yaoundé, o avião ficou praticamente vazio. Dezenas de governadores, chefes tradicionais e religiosos e outros dignitários saíram na capital dos Camarões, Yaoundé. O seu objetivo: o grande diálogo nacional que começou esta segunda-feira (30.09).

Centenas de camaroneses de todo o país e da diáspora foram convidados pelo Governo para resolver a chamada crise anglófona que já causou a morte de mais de 3000 pessoas desde 2016 e cerca de meio milhão de refugiados.

Tudo começou há três anos, em 12 de outubro de 2016, com uma greve nas regiões anglofónas no sudoeste e noroeste dos Camarões: advogados e professores protestaram contra um sistema que, aos seus olhos, coloca as regiões anglófonas do país em desvantagem. A reação de Yaoundé foi um bloqueio de um mês na internet que alimentou ainda mais o conflito.

Apesar da crise, o Presidente Paul Biya foi reeleito 

Entretanto, o Governo do Presidente Paul Biya está a tentar tranquilizar os manifestantes. Um diálogo apático e a criação de uma comissão para promover o bilinguismo e o multiculturalismo são acompanhados de detenções e intimidações por parte do mesmo governo e das suas forças de segurança.

Um dos confidentes mais importantes do Presidente, Paul Atanga Nji, declarou publicamente que não há nenhum problema anglófono. Os manifestantes são “pessoas pomposas que são manipuladas com dinheiro estrangeiro”, disse.

Má governação

O cardeal anglófono Christian Tumi, uma das vozes religiosas mais importantes do país, discorda. “As razões da crise residem na má governação. As pessoas não estão envolvidas nas decisões. E há um sistema político centralizado, o sistema jacobino, que copiamos da França”, diz em entrevista à DW África.

Até hoje, a França interfere na política dos Camarões. A descentralização é uma das palavras-chave da crise. As reformas a este respeito estão previstas na Constituição de 1996 e, desde 2002, existe mesmo um Ministério de Descentralização. Mas nada mudou até agora, diz o sacerdote presbiteriano Thomas Mokokoko Mbue. “O problema anglófono é tão antigo como o próprio país. Desde 1961, tem havido repetidos apelos e petições para o diálogo. Mas o Governo recusou-se a ouvir”, conta.

Cardeal anglófono Christian Tumi lamenta a má governação

Um ano após as primeiras greves, grupos separatistas no noroeste e sudoeste proclamam o estado independente “Ambazónia” em 1 de outubro de 2017.

A data é simbólica: em 1 de Outubro de 1961, o Oriente, que era administrado pelo colonialismo francês, e o Ocidente, que era administrado pelo colonialismo britânico, uniram-se para formar os Camarões. Os ambazonianos não querem ter mais nada a ver com este Estado.

Entre 200 e 2000 combatentes

O conflito está a tornar-se cada vez mais brutal. Jovens lutam no mato contra o exército. Escolas, hospitais, aldeias inteiras são incendiadas, pessoas assassinadas, intimidadas, raptadas. O termo “guerra civil” é cada vez mais utilizado. A culpa é de ambos os lados, dos separatistas e do exército.

A maioria dos camaroneses considera que o diálogo está atrasado e as expectativas sobre os resultados são mistas. Daniel Mbiwan,  da Missão Gospel Plena, deseja o fim da violência: “Precisamos de um cessar-fogo porque as pessoas estão a morrer em ambos os lados do conflito”. Já Joseph Mbafor, presidente da Comunidade Missionária Cristã Internacional, mostra-se cético. “Encontrar uma solução em cinco dias não é possível. Nem mesmo os anglófonos falam a uma só voz”, lembra. Ouvir o áudio 03:29

O advogado Felix Agbor Balla concorda: “Teria sido melhor se tivéssemos tido primeiro um diálogo intra-anglófono, entre aqueles que querem o seu próprio Estado e aqueles que querem o federalismo, para encontrar a melhor solução. A opinião de todos deve contar”. Apesar das muitas vítimas da crise, ele não lamenta ter levantado a voz em 2016. “Lutámos pelo nosso povo, para as coisas mudarem. Mas, infelizmente, algumas pessoas estão a abusar desta luta.”

É difícil dizer quantos combatentes existem. As estimativas variam entre 200 e mais de 2000. Estão divididos em grupos concorrentes, principalmente da diáspora nos Estados Unidos e na Noruega. “Alguns destes rapazes nem sequer têm 15 anos”, diz Thomas Mokokoko. “É doloroso ver estes jovens a morrer por uma guerra sem sentido”, lamenta.

Só à porta fechada os informantes dizem que o próprio Governo também mantém pelo menos uma milícia. Apenas em meados de setembro de 2019, cerca de três anos e milhares de mortos após as primeiras exigências, é que o Presidente Biya apela a um “grande diálogo nacional”, para “examinar, no âmbito da Constituição, as formas e os meios pelos quais as profundas esperanças dos povos do norte e do sudoeste, mas também de todas as outras partes da nação, possam ser respondidas.”

Exigência: Descentalização

O advogado anglófono de direitos humanos Felix Agbor Balla, que foi um dos manifestantes em 2016, exige que as possibilidades de um Estado Federal sejam discutidas durante o diálogo de cinco dias em Yaoundé. “A crise começou com a exigência de descentralização. Sem falar da forma de funcionamento do Governo, não vamos encontrar uma solução”, salienta.

O sacerdote presbiteriano Samuel Fonki, um dos mediadores da crise, critica o Governo por ignorar o conflito por muito tempo.”Mas agora, depois da pressão de fora, querem mostrar ao mundo que estão a fazer algo.” Um ministro, à porta fechada, fala mesmo de um “grande espectáculo”. Está prevista uma gala para o último dia do diálogo, na próxima sexta-feira (04.10).

Advogado Felix Agbor Balla quer que se fale sobre descentralização

Samuel Fonki, por outro lado, tem a certeza de que “sem os observadores externos, os factos não estariam na mesa.” Mas o ministro rejeita. “Só se quer falar de irmão para irmão, sem interferências de fora”, assegura.

Se e como os “ambazonianos” serão representados, ainda não está claro: o Governo enviou convites para líderes separatistas no exterior. Mas muitos deles rejeitam o diálogo, o qual chamam “biálogo” e consideram uma “perda de tempo e de dinheiro dos contribuintes”, como escreveu o líder separatista Mark Bareta no Facebook.

O Governo sabe o que os anglófonos querem. Ninguém precisa vir aos Camarões para saber isso. Mas, muitos separatistas tanto no mato como na diáspora – têm medo do que lhes possa acontecer. Têm medo de ser detidos. Outros não têm autorização de residência válida no país em que residem. De acordo com várias fontes, os líderes separatistas no exterior também estão a perder influência.

Ajuda dependente de resultados

Günter Nooke, conselheiro para África da chanceler alemã Angela Merkel, está atualmente nos Camarões para ter uma ideia mais concreta da situação. Tem falado principalmente com pessoas da igreja anglófona, nas quais grande parte dos ambazonianos confia, mas rejeitam qualquer tipo de violência.

“Aqui nos Camarões temos violência, crimes contra a humanidade de ambos os lados, ou seja, os órgãos armados do Estado, o exército e a polícia, mas também daqueles que dizem lutar pela independência dos territórios anglófonos”, diz. Numa reunião com um representante do Governo, Nooke deixou claro que a ajuda da Alemanha depende do êxito do diálogo.

Para o Presidente dos Camarões, Paul Biya, porém, já há algo que parece claro: “O futuro dos nossos concidadãos do norte e do sudoeste está na nossa República”, disse o chefe de Estado Biya no seu apelo ao diálogo. Mas para uma República da Ambazónia provavelmente não haverá espaço.

Fonte: DW

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.