ANGOLA – UMA SOLUÇÃO ADIADA

CABINDA

 por @mbembubuala

Fevereiro 20, 2019

Criou-se em Angola, depois da Traição dos Acordos do Alvor em 1975, um Monstro com vários rostos, multirraciais, que aniquilou o plasmado no Documento rubricado no Hotel da Penina, por alguns farsantes a soldo do KGB, doutrinados pelos golpitas Soviéticos, que logo transformaram a Esperança numa tragédia. Durou pouco, de Janeiro ao 1º de Maio de 1975, quando já auxiliados por tropas cubanas, e com a cumplicidade do MFA/Portugal, as FAPLA expulsaram de Luanda a FNLA.

O resto, já repetidas vezes escalpelizado, foi um festival de traições, negócios, corrupção, que teve como consequência o longo calvário que ainda hoje predomina,
e que teima eternizar-se.

É histórico, depois que qualquer potência ou país subscreveu a Carta das Nações Unidas, nunca o totalitarismo resistiu mais de 50 anos, tempo para que as gerações seguintes não suportem o “Status Quo”. Cairam a União Soviética, o Império Português, o Inglês, o Francês, o Apartheid, está a desmoronar-se o Bolivarianismo de Maduro, Obiang, da Guiné Equatorial, e treme a Frelimo em Moçambique. Claro, há sempre excepções, Cuba Coreia do Norte e Angola, estão a atingir a caducidade histórica.

O MPLA é exímio no disfarce, tem uma máquina de propaganda eficaz, mas que está a dar mostras de cansaço, e as diatribes das diversas caras do Monstro não são mais visíveis, por total inoperacionalidade da oposição, amorfa e acomodada inexplicavelmente.
Depois da catástrofe José Eduardo dos Santos, emergiu uma encenação que começa a esfumar-se. João Lourenço, tomou posse como Presidente da República, pintou um quadro de expectativa e pose fotográfica, com galões de justiceiro, para encapotar a sua submissão ao ex-Presidente. Criou expectativa, lançou suspeitas que eram certezas, até que desse tempo de colocar os herdeiros que aguardavam a vez de serem promovidos a novos Monstros do Regime.

Durou um ano, até que as forças do MPLA em clara desagregação que emerge da caducidade, medissem forças e colocassem a nu, os rabos de palha de toda gente. João Lourenço, começa a ser escrutinado, as expectativas do povo goraram, e o que sobre da desgovernação, é que hoje está pior que ontem, com a certeza de que amanhã estará pior que hoje.
Agora, estrategicamente, libertou o corpo de Jonas Savimbi, para que sejam realizadas exéquias fúnebres do grande guerrilheiro e Estadista, assassinado no Moxico em 2002.

Com a Oposição moribunda, fraccionada, foi um golpe de asa do Presidente, degladiam-se protagonismos, entretem-se a plebe, e dá uma ajuda ao seu ex-colega de escola, Samakuva, de aproveitar o evento para colocar em marcha a sua recandidatura a líder da UNITA.


Tudo isto acontece num momento em que João Lourenço, começa a ter a sua honorabilidade posta em causa internacionalmente, com volumosas somas de dinheiro (muitos milhões), depositados em Off Shores, oriundos de negócios enquanto Ministro da Defesa.
Na UNITA, em lutas desiguais, perfilam-se tropas para o Congresso, e amigos estratégicos de hoje, podem colidir nos seus intentos a qualquer momento. Adalberto da Costa Júnior, faz-se com evidência ao lugar, mas Alcides Sakala, aparece como aquele que mais tem visibilidade internacional e engajado num clube político bem definido, a Democracia Cristã. Outros há na expectativa, mas Samakuva pode baralhar as coisas, para que tudo continue igual.

A caducidade histórica não atinge só o MPLA, a UNITA também deveria sepultar o Movimento com o seu Fundador, porque cumpriu o desiderato da sua genisis, a Libertação Nacional. Hoje a luta é política, e à que definir um rumo para o país, sem percas de tempo, com estratégias identificadoras que atraiam investimento, governar o país a partir do zero, e deixar a Justiça agir livremente contra os prevaricadores, sem perseguição política.

Clarificar uma Paz duradoura que dignifique a cidadania, promover o desenvolvimento, combatendo o analfabetismo, a doença, criando emprego, e com transparência distribuir por igual a riqueza assente nos recursos do país.

A procissão vai no adro, mas o caminho é curto, aguardemos as cenas dos próximos capítulos.

Texto de Gomes Kuma

Lisboa, 13/02/2019

2015@mbembubuala – Todos direitos reservados (Copyright)

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.