“O POVO DE CABINDA FOI ENGANADO”- DIZ ANTIGO MILITAR PORTUGUÊS

Manuel João Baptista Rosa, antigo militar Português que trabalhou em Cabinda na era colonial, afirmou numa publicação nas redes sociais que o povo de Cabinda foi enganado.

“O povo de cabinda foi enganado pelos militares que fizeram o 25 de abril.

Quando digo militares refiro-me somente à cúpula política do MFA! Também participei no 25 /Abril na EPAM fomos nós que tomamos a RTP no Lumiar e estive em Cabinda na “descolonização” e portanto sei do que falo.

Consultei documentos essenciais sobre a situação de Cabinda, Não foram só os acordos celebrados no final do sec.xix.

A conferência de Berlim em 1886 ratificou-os. A constituição da República Portuguesa de 1910 e 1933 consideravam Cabinda uma colónia distinta das outras respeitando o acordado com o povo daquele território.

A ONU considerava que Angola era a colónia 35 e Cabinda a 39.

A OUA “União Africana” também tratava Cabinda e Angola de forma autónoma. Estas duas organizações lutaram até final da década de 60 pela independência de Cabinda face a Angola.

Apenas Portugal em 1975 quando governava o MFA não respeitou aquilo que havia acordado com o povo de Cabinda!!!! E logo aqueles que tinham no seu programa político o direito dos povos à sua auto-determinação”- lamentou antigo militar Português.

De recordar que o território de Cabinda foi invadido militarmente por Angola no dia 8 de Novembro de 1975.

De lá para cá, Cabinda passou a ser parte integrante de Angola e sem o consentimento da maioria dos filhos de Cabinda.

Fonte: Jornal de Cabinda

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.