ENG. MAURÍCIO GIMBI REAFIRMA QUE UCI VAI CONTINUAR À DEFENDER AS VERDADEIRAS ASPIRAÇÕES DO POVO DE CABINDA

“A Independência de Cabinda”

Afirmação feita em exclusivo à A Voz de Cabinda (Mbembu-Buala), na entrevista concedida nesta terça-feira 24, onde para além de retratar sobre à vida política interna da UCI, abordou igualmente à situação político-militar, social, económico vigente no território de Cabinda e demais questões ligadas ao eterno problema de Cabinda, sem solução à vista devido à ignorância do governo angolano.

“A nossa vida política interna vai bem a UCI está dando passos seguros, de uma maneira sábia, prudente e com muita serenidade”.

O líder da UCI, revelou que à sua organização política já se encontra instalada ao nível de todo o território Nacional de Cabinda.

“Estamos em todas as partes do território de Cabinda do Miconje ao Yema e do Massabi ao Zenze do Lucula”.

Reafirmou afincadamente, que para à UCI só à independência interessa para Cabinda!

“E continua defendendo aquilo que são as verdadeiras aspirações do povo de Cabinda”

“QUE É À INDEPENDÊNCIA”

O Eng. Maurício Gimbi, presidente da União dos Cabindenses para Independência-UCI, acredita ainda que num futuro breve o problema de Cabinda pode ser resolvido.

Tendo sugerido o diálogo como o mecanismo que pode ser aproveitado para se atingir esse objetivo.

“Porém como todos sabemos nós defendemos à independência porque à independência é uma posição mais ampla, mais abrangente, mais consensual que mais converge os Cabindas”

Por outro lado, o Eng. Maurício Gimbi, acredita ainda que “à independência é à opção mais pacífica que pode de facto trazer uma paz definitiva para este território”.

De recordar que no vídeo em anexo o leitor poderá acompanhar na íntegra as outras questões que à Mbembu Buala abordou com líder da UCI.


https://youtu.be/EPSeQI9rP30

Que não deixou de abordar também sobre a reunião inter-Cabindesa, realizada no Gana, do Alto Conselho de Cabida-ACC que acredita ser mais uma manobra perigosa para se solucionar o problema.

“Nós consideramos o ACC como se fosse uma comida envenenada e é um projecto que não nos interessa”. Reforçou Maurício Gimbi.

Que igualmente teceu comentários sobre à detenção dos membros do MIC que pretendiam recentemente participar na marcha pacífica convocada para o dia 10 de dezembro, da possibilidade para à realização de um referendo, da criação do Bloco dos Independentistas (a grande revelação) uma concertação política Cabindesa que integra quatro movimentos independentistas de Cabinda (MRPCS, UCI, MDC e PAIC) e, a detenção de Filomão Futi membro da UCI.

Tendo abordado igualmente a necessidade do diálogo com o governo angolano para à resolução do “Problema de Cabinda”, do velho dilema da militarização do território de Cabinda que de certo modo tem impedido o desenvolvimento social e económica da pátria imortal, Maurício Gimbi, não se esqueceu da governação de Marcos Nhunga.

No entretanto o Presidente da UCI considera que o mal estar da situação política, económica e social de Cabinda, ser consequência da não resolução do Problema político-militar.

“Nós acreditamos que a resolução definitiva do Problema de Cabinda, trará melhores condições sociais e económicas para este povo, enquanto esse problema continuar, enquanto esse problema de Cabinda, for ignorado, o povo de Cabinda continuará à sofrer”

Gimbi, entende ainda que o governo angolano recusa-se em tratar às causas do Problema!

O Presidente da UCI, não deixou de sensibilizar, motivar e alertar o povo de Cabinda nas suas considerações finais, tendo mesmo chamado atenção para o seguinte:

“Eu peço ao povo de Cabinda que continuemos unidos e não nos deixarmos enganar e este pouco tempo tempo que estou na revolução pode entender quais são as armas que os inimigos de Cabinda tem usado e, uma das armas é a difamação para poder descredibilizar os verdadeiros líderes” .

“Aqueles que de facto querem libertar o povo (…) fomentam também o tribalismo, mas nós não devemos nos deixar enganar”.

“Vamos continuar à lutar por aquilo que é nosso por direito, não vamos nos deixar derrotar porque um povo que para de lutar é aquele povo derrotado. Vamos continuar à lutar porque Deus está connosco”.

“Este problema é um problema que tem solução. E vamos continuar a optar na união e no amor. Não vamos aceitar conselhos que visam separar as pessoas”.

Estejam muito atentos sobre à evolução da situação político-militar de Cabinda (…), acreditamos que nos dias vindouros, caso não apareça uma solução, muita coisa pode acontecer”, alertou.

“ESTEJAMOS TODOS ATENTOS PORQUE TUDO É POSSÍVEL”, concluiu o Eng. Maurício Gimbi que como estão recordados ficou detido cerca de sete meses, indiciado, pela PGR do MPLA em Cabinda, de associação criminosa, rebelião, ultraje ao estado e resistência, por ter pretendido organizar uma marcha pacífica em alusão aos 134 anos da assinatura do Tratado de Simulambuco.

Texto de Ruben Malonda

MBEMBU BUALA PRESS

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.