O governo federal da etíope anuncia criação de plataformas locais para substituir twitter, WhatsApp e Facebook

Algo que por muitos é dado como um impossível em África, mas que tornou-se um dos planos de quem sustenta o poder na Etiópia.

Um desafio para os desenvolvedores locais, que deverão entregar-se de corpo e alma, para o desenvolvimento desta plataforma local, que deverá tornar nítida a rivalidade com as demais globais, embora não pretenda bloquear os serviços globais, as comunicações estaduais agência de segurança.

A Etiópia está envolvida desde o ano passado em um conflito armado que opõe o governo federal à Frente de Libertação do Povo Tigray (TPLF), que controla a região de Tigray, no norte do país.

Os torcedores de ambos os lados travaram uma guerra paralela de palavras nas redes sociais.

O governo quer que sua plataforma local “substitua” Facebook, Twitter, Whatsapp e Zoom, assim disse o diretor-geral da Agência de Segurança de Redes de Informação (INSA), Shumete Gizaw.

E acusou o Facebook de deletar posts e contas de usuários que ele disse estar “disseminando a verdadeira realidade sobre a Etiópia”.

Grupos internacionais de direitos humanos criticaram o governo etíope por fechamentos inexplicáveis ​​de serviços de mídia social, incluindo Facebook e WhatsApp, no ano passado. O governo não se pronunciou sobre essas paralisações.

A porta-voz do Facebook na África, Kezia Anim-Addo, se recusou a comentar sobre os planos da Etiópia e não respondeu imediatamente a uma pergunta sobre as acusações de Shumete.

A Etiópia, um país com cerca de 115 milhões de habitantes, tem cerca de 6 milhões de usuários do Facebook de acordo com o Statista.

Mas em junho, dias antes das eleições nacionais, o Facebook disse que havia removido uma rede de contas falsas na Etiópia voltada para usuários domésticos, que vinculou a indivíduos associados ao INSA, que é responsável por monitorar as telecomunicações e a internet.

O Twitter se recusou a comentar. Zoom não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

Shumete se recusou a especificar um cronograma, orçamento e outros detalhes, mas disse : “A lógica por trás do desenvolvimento de tecnologia com capacidade local é clara … Por que você acha que a China está usando o WeChat?”

“Ele disse que a Etiópia tem a experiência local para desenvolver as plataformas e não contrataria pessoas de fora para ajudar.”

O aplicativo de mensagens sociais WeChat é propriedade da Tencent Holdings, com sede na China , é amplamente utilizado no país e é considerado uma ferramenta forte pelas autoridades chinesas para monitorar sua população.

Será que um dia em nosso país ouviremos ou veremos o governo passar este desafio para os desenvolvedores locais? Será que os nossos profissionais na área de desenvolvimento de Apps web estão preparadas para o mesmo desafio?

Fonte: EDACO

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.