FLEC FAC exige libertação e repressão de “77 patriotas” em Cabinda, polícia mantém silêncio

CABINDA

por @mbembubuala

Fevereiro 14, 2019

Fonte: O Jogo

O movimento independentista cabindês FLEC exigiu hoje a “libertação imediata dos 77 patriotas” detidos desde o início do mês em Cabinda e o fim das “detenções arbitrárias e da repressão”, com a polícia angolana a remeter-se ao silêncio.

A 07 deste mês, outro grupo, o Movimento Independentista de Cabinda (MIC), indicou à agência Lusa que a polícia angolana detém, desde 28 de janeiro, 74 ativistas, entre eles o presidente Maurício Bufita Baza Gimbi e o vice-presidente António Marcos Soqui, número que a FLEC/FAC indica hoje ser de 77.

Em declarações então à Lusa, Sebastião Macaia Bungo, secretário para Informação e Comunicação do MIC, referiu que as detenções foram sendo acumuladas desde 28 de janeiro, à medida que se aproximava o dia em que o movimento se preparava para celebrar com uma marcha, a 01 de fevereiro, o 134.º aniversário da assinatura do Tratado de Simulambuco.

A marcha, que acabaria impedida pelas autoridades policiais angolanas, visava – além de comemorar os 134 anos do tratado assinado em 1885 entre Portugal e os príncipes, chefes e oficiais dos reinos de Cabinda (Makongo, Mangoyo e Maloango), colocando o enclave sob protetorado português – exigir também a independência.

Desde esse dia que a Lusa tem contatado a polícia nacional angolana, que, no entanto, não tem avançado qualquer informação, limitando-se a indicar que “terão havido alguns distúrbios na ordem pública”, mas sem explicar pormenores.

Por seu lado, Sebastião Macaia tem estado incontactável.

Hoje, no comunicado, a Frente de Libertação do Estado de Cabinda – Forças Armadas de Cabinda (FLEC/FAC), assinado por Jean Claude Nzita, porta-voz e secretário para a Informação e Comunicação do movimento, acusa o Governo de João Lourenço de “distrair” a comunidade internacional “com reformas puramente cosméticas em Angola”.

“O presidente angolano, João Lourenço, tem levado a cabo uma violenta e sistemática repressão em Cabinda contra todos os que reclamam por liberdade e dignidade. Apoiado por uma máfia institucionalizada, João Lourenço diz pretender combater a corrupção e os abusos em Angola, mas Cabinda é uma exceção, demonstrando assim inequivocamente que Cabinda não é Angola”, refere a FLEC/FAC.

O movimento independentista denuncia também o que considera ser a “contínua e crónica militarização de Cabinda pelas tropas neocolonialistas angolanas”, que avançaram para o enclave com uma importante “dimensão e capacidade bélica de forças repressivas”.

“[Tal] demonstra, mais uma vez, que a justificação mitómana avançada pela oligarquia angolana de que pretendia garantir a segurança das fronteiras com a República do Congo e manter a estabilidade durante as eleições na República Democrática do Congo são apenas mais uma manobra de diversão para distrair a comunidade internacional e fazer de Cabinda o Guantánamo Angolano”, refere Nzita.

A direção política da FLEC apelou, mais uma vez, ao secretário-geral da ONU, António Guterres, “que conhece bem Cabinda”, ao Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos e ao Conselho de Segurança da ONU para tomarem “todas as medidas necessárias para protegerem a população de Cabinda e forçarem Angola a terminar definitivamente com a repressão, militarização e genocídio em curso da identidade cabindesa”.

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.