FLEC FAC SOLICITA À MEDIAÇÃO DO SECRETÁRIO GERAL DA ONU PARA O FIM DEFINITIVO DO CONFLITO EM CABINDA 

António Guterres, Secretário geral da onu

 A direcção político militar da Frente de Libertação do Estado de Cabinda – Forças Armadas de Cabinda “FLEC FAC”, solicitou  hoje, num comunicado ao Secretário Geral da ONU, António Guterres, a viabilização de condições para o fim definitivo da guerra e ao drama constante em Cabinda.

POR MBEMBU BUALA 

“A Flec apela também directamente ao SG da ONU, António Guterres, que conhece bem o drama de Cabinda e que no passado estabeleceu muitos contactos e compromissos com os dirigentes da FLEC, a não esquecer o conflito em Cabinda”, como se pode ler na nota assinada pelo General Zing Zong Júnior Sousa, Inspetor-geral da Defesa das FAC.

Por outro lado, a solicitação da Flec Fac, é extensiva aos representantes dos Estados Membros da ONU que participam na Assembleia Geral da ONU em Nova Iorque, para que façam uma distinção plausível entre os direitos humanos e os seus interesses pessoais e que não “permaneçam indiferentes perante o sofrimento dos povos amaldiçoados pelo petróleo”.

Porém a direcção político militar da FLEC FAC, apelou de igual modo aos Estados membros e ao SG da ONU que “o direito à autodeterminação do povo de Cabinda não pode estar ausente da agenda da Assembleia Geral da ONU, e o povo de Cabinda não pode ser considerado como um povo de terceira classe que não merece assistência nem atenção das Nações Unidas”.   

É IMPORTANTE AQUI REALÇAR ALGUNS FACTOS SOBRE À LUTA DA AUTODETERMINAÇÃO DE CABINDA 

O Tratado de Simulambuco foi assinado em 01 de fevereiro de 1885 pelo representante do Governo português Guilherme Augusto de Brito Capello, então capitão tenente da Armada e comandante da corveta “Rainha de Portugal”, e pelos príncipes, chefes e oficiais do reino de N’Goyo. 

O tratado colocou Cabinda sob protetorado português e foi elaborado antes da Conferência de Berlim, que dividiu África pelas potências europeias. 

A procura da independência data, no entanto, de 1956, quatro anos depois da união administrativa com Angola, com a formação do Movimento de Libertação do Enclave de Cabinda (MLEC) e, em 1963, dois anos depois do início da guerra em Angola, são criados o Comité de Ação da União Nacional dos Cabindas (CAUNC) e a Aliança Maiombe (ALLIAMA).

A Frente de Libertação do Enclave de Cabinda “FLEC” é fundada nesse mesmo ano, como resultado da fusão dos movimentos existentes e de forma a unir esforços que sensibilizassem Portugal para o desejo de independência. 

Mais recentemente, a FLEC passou a designar-se Frente de Libertação do Estado de Cabinda.

Texto de José Manuel Kabangu  

© 2019 THE VOICE OF CABINDA – MBEMBU BUALA, PELA VERDADE E JUSTIÇA – CABINDA ACIMA DE TUDO E DE TODOS

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.