INDEPENDENTISTAS DE CABINDA PEDEM APOIO A JOE BIDEN E REFERENDO A GUTERRES

A Frente de Libertação do Estado de Cabinda (FLEC-FAC) pediu hoje à nova administração norte-americana que apoie a sua luta pela autodeterminação do território, exortando as Nações Unidas (ONU) a promoverem um referendo.

“A direção político-militar da FLEC-FAC apela à nova administração norte-americana e ao presidente Joe Biden para que apoie um processo que leve à autodeterminação de Cabinda”, refere a organização num comunicado para assinalar os 136 anos do Tratado de Simulambuco.

Assinado a 01 de fevereiro de 1885 entre o Governo português e os autóctones cabindenses, o Tratado de Simulambuco selou a criação de um protetorado português, no qual Portugal se comprometeu a manter a integridade dos territórios.

No mesmo comunicado, o movimento exorta também o secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, a “organizar um referendo à autodeterminação livre e justa de Cabinda”.

“O direito à autodeterminação do povo Cabinda é um direito fundamental, Cabinda não é uma província de Angola, mas um protetorado português até hoje”, sublinha o comunicado assinado pelo secretário-geral da organização, Jacinto António Télica.

Os independentistas manifestam “esperança” de que administração do Presidente Joe Biden “ajude a região a resolver esta questão no quadro da legalidade internacional”. Apelam, no mesmo sentido, à comunidade internacional “para que assuma as suas responsabilidades históricas para a autodeterminação do povo de Cabinda”.

“O governo português encontrará um papel à sua medida no apoio a este processo”, termina o comunicado.

Os apelos da FLEC-FAC surgem no mesmo dia em que a polícia angolana deteve seis ativistas e impediu uma manifestação em frente à embaixada portuguesa em Luanda para exigir a Portugal o cumprimento do acordo que permitia a independência do enclave.

Os independentistas de Cabinda defendem que o território era uma colónia independente de Portugal e deveria ter sido tratada enquanto tal no processo de independência de Angola.

Em contrapartida, o território, de onde é extraída a maior parte do petróleo de Angola, tornou-se numa província angolana.

Lusa

Foto créditos Jean Claude Nzita

#Mbembubualapress

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.