FLEC DENUNCIA MORTE DE REFUGIADOS POR TROPAS ANGOLANAS


Chega a sete o número de refugiados cabindenses mortos durante um ataque das Forças Armadas de Angola, no domingo (08.11). É o que diz a Frente de Libertação do Enclave de Cabinda-Forças Armadas de Cabinda (FLEC-FAC).

O ataque ocorreu numa aldeia congolesa fronteiriça. Segundo um comunicado divulgado esta segunda-feira (09.11) pela FLEC-FAC, a incursão dos militares angolanos na aldeia de Yema di Yanga, na fronteira de Mbaka-Khosi aconteceu perto das 22h e resultou na morte de duas mulheres, uma das quais grávida de oito meses e cinco homens, que estavam desarmadas.

“As autoridades angolanas consideram todos os refugiados cabindenses como soldados da FAC. A FLEC-FAC denuncia um crime de guerra, um ato de terror bárbaro do regime angolano, e condena veementemente a perseguição e violência opressora cometida contra refugiados” na República Democrática do Congo, acrescenta-se no documento, assinado pelo secretário-geral, Jacinto António Télica. 

Os independentistas voltam a apelar à comunidade internacional, em particular o secretário-geral das Nações Unidas António Guterres para encontrar uma solução para o problema e agir contra “os atos terroristas” do Governo angolano.

“Esta crueldade, este tratamento desumano de refugiados cabindenses nos dois Congos não deve perpetuar-se”, salienta-se no comunicado, pedindo que a justiça internacional denuncie o silêncio do Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugidos (ACNUR) sobre as mortes arbitrárias nos campos de refugiados cabindenses.

A agência de notícias Lusa tem questionado o Ministério da Defesa de Angola sobre as alegações das FLEC-FAC sem nunca obter confirmação relativamente aos confrontos e baixas das Forças Armadas Angolanas.

A FLEC, através do seu “braço armado”, as FAC, luta pela independência no território alegando que o enclave era um protetorado português, tal como ficou estabelecido no Tratado de Simulambuco, assinado em 1885, e não parte integrante do território angolano.

Criada em 1963, a organização independentista dividiu-se e multiplicou-se em diferentes fações, efémeras, com a FLEC/FAC a manter-se como o único movimento que alega manter uma “resistência armada” contra a administração de Luanda. Mais de metade do petróleo angolano provém desta província angolana.

Fonte: DW

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.