MEGA MANIFESTAÇÃO DO MIC EM CABINDA NO DIA 11 DE NOVEMBRO

Para já será uma ‟Manifestação Pacífica contra as detenções arbitrárias e a favor da Realização do Referendo de Autodeterminação sobre Cabindaˮ.

Segundo a nota assinada pelo Secretário para Informação e Comunicação, Eng. Sebastião Macaia, o Movimento Independentista de Cabinda – MIC digna-se em informar por intermédio desta que no dia 11 de Novembro do ano corrente, realizar-se-á uma ‟MANIFESTAÇÃO destemida e pacificamenteˮ contra as detenções arbitrárias, perseguições políticas e prisões ilegais dos activistas políticos de Cabinda (António Victor Tuma e Alexandre Dunge) e a favor da Realização do Referendo de autodeterminação sobre Cabinda.

O MIC, paralelamente informa a todos seus militantes, povo de Makongo, Mangoyo e Maloango que o ponto de concentração da Manifestação susodita será no Largo do antigo cemitério do Zangoio (Parada dos Fiéis) esta, principiará por volta das 12h:00 e terá o seu auge defronte à sede do Governo Invasor-ocupante angolano em Cabinda.

O MIC entende que, a realização das eleições angolanas em Cabinda, nunca trará a solução definitiva do problema de Cabinda, porque este assenta em pressupostos do direito internacional público. Trata-se do direito de Autodeterminação dos povos, tal como está plasmado e entendido pela Carta das Nações Unidas, artigo1° n°2 / artigo 55, e aplicado pelo costume internacional. É um princípio que se consistência no direito de um povo à escolher sem a interferência externa, o seu estatuto político. Portanto, é neste quadro que o MIC ( Movimento Independentista de Cabinda) adoptou a alternativa para o alcance da solução definitiva do problema de Cabinda o REFERENDO DE AUTODETERMINAÇÃO, por ser um mecanismo imposto pelas Nações Unidas para a resolução de diferendo entre os povos e, também por abarcar diferentes ideologias políticas tais como: a independência, autonomia e integração.

Movimento Independentista de Cabinda (MIC), apela às mais influentes organizações político-diplomáticas internacionais (ONU, UE, UA, CPLP) por serem as organizações internacionais imparciais com o poder de manter a Paz e Segurança Internacional, propõem a Consulta Popular para resolver litígios como a Questão de Cabinda.

Logo, não é incoerente o MIC exigir da ONU – Organização das Nações Unidas e as demais Organizações (UE, UA, CPLP) que por primazia detêm o destino de Cabinda nas suas mãos, a realização dum Referendo de Autodeterminação para se aferir as aspirações dos cabindas, porque é este contexto internacional que serve de pano de fundo a resolução da questão de Cabinda, numa perspectiva mais jurídica, menos emocional, menos política e que deve ser mais racional e humana, para pôr termo à guerra e a neo-colonização angolana sobre Cabinda.

Para aprimorar, afirmamos “não as eleições angolanas em Cabinda”, mas sim a realização do “Referendo” para resolução definitiva do problema de Cabinda. E finalmente, exigimos a liberdade imediato e incondicional dos membros do MIC, António Victor Tuma e Alexandre Dunge. LIBERTEM os presos políticos de Cabinda.

04 DE NOVEMBRO 2021

MBEMBU BUALA PRESS

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.