PROPAGANDA DO GOVERNO ANGOLANO PARA UMA SUPOSTA PAZ EM CABINDA

Já estão a fazer propaganda do plano já elaborado das supostas novas negociações para a suposta resolução do Conflito do Problema de Cabinda, desta vez nenhuma farsa passará! Os vossos agentes secretos os ‟Cabindas Zobasˮ foram expostos com sucesso. E, aguardem pela linha X.

Segundo a Voa

O Governo de Angola admitiu, pela primeira vez publicamente, a existência de acções militares em Cabinda ao reconhecer que a segurança na fronteira com a República do Congo “inspira muitos cuidados”, em meio a apelos da Frente de Libertação do Enclave de Cabinda-Forças Armadas de Cabinda (FLEC-FAC) para o boicote das eleições.

O ministro do Interior, Eugénio Laborinho, disse, no sábado, 19, existir na fronteira entre os dois países uma “ofensiva armada de grupos criminosos”.

Sem fazer referência à FLEC-FAC, a organização de guerrilha que actua na região e que reivindica a independência de Cabinda, Laborinho considerou que estas acções “deixam vulnerável a segurança transfronteiriça entre os dois países”.

“Apesar das as acções operativas que vêm sendo realizadas, no âmbito da prevenção e combate aos crimes transfronteiriços, a situação de segurança ao longo da fronteira comum ainda inspiram sérios cuidados, porquanto, uma vasta extensão da mesma encontra-se desprotegida, o que torna vulnerável a qualquer tipo de actos ilícitos”, precisou o ministro angolano do Interior.

Em termos oficiais, as autoridades angolanas sempre negaram a existência de ataques de guerrilheiros da FLEC-FAC às posições das forças armadas e de um clima real de instabilidade militar na região.

Medidas urgentesˮ, de Angola e da República do Congo

Mas, desta vez, o ministro angolano disse ser urgente que os órgãos de defesa e segurança de Angola e do Congo tomem as medidas necessárias para que a fronteira entre os dois países não seja utilizada como esconderijo de grupos criminosos.

“Com vista a preservar as excelentes relações de boa vizinhança, urge a necessidade dos órgãos de defesa dos dois países tomarem as medidas pertinentes para que os dois territórios não sejam utilizados como bastiões e esconderijos de grupos criminosos”, disse.

Eugénio Laborinho fez estas declarações por altura de uma reunião que juntou, durante quatro dias, em Luanda, os ministros do interior de Angola e da República do Congo.

Num primeiro encontro, entre chefias militares dos dois países, realizado a 18 de Janeiro, em Massabi, foi aprovada a realização de operações conjuntas contra a FLEC-FAC.

O Governo de Angola tinha acusado a República do Congo de cumplicidade com a guerrilha , na sequência dos ataques de Massabi e Nhuca.

Boicote às eleições e Nobel da Paz para João Lourenço

Em entrevista recente à VOA, o chefe do Estado-Maior General da FLEC-FAC garantiu que a resistência continua a lutar pela independência e apelou aos movimentos cívicos em Cabinda para boicotarem as eleições gerais, previstas para Agosto de 2022.

“Eleger Angola em Cabinda é eleger a opressão no nosso território”, disse Estanislau Boma, quem acusou o exército angolano de atacar a guerrilha.

Alexandre Kuanga Nsito, coordenador da Associação Cultural e de Desenvolvimento e dos Direitos Humanos de Cabinda, defende que, mais do que reconhecer a existência de guerra na região, o Governo deve promover o diálogo com a FLEC-FAC e com as sensibilidades políticas locais .

Na opinião daquele activista cívico,“o Presidente João Lourenço não devia perder a grande oportunidade de ganhar o Prémio Nobel da Paz promovendo o diálogo para a pacificação de Cabinda”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.